Como Obter Autoconhecimento

Neste artigo vamos falar um pouco sobre autoconhecimento. Os filósofos não são as únicas pessoas que pensam e escrevem este assunto. Psicólogos têm muito a dizer sobre isso, e vamos discutir abordagens psicológicas para este tema. A filosofia do autoconhecimento é seca e difícil. Uma razão é que os filósofos tendem a concentrar-se no assunto como sendo relativamente trivial, ao contrário do que chamamos de autoconhecimento “substancial”.

Neste contexto, entendem que ele não é nem mesmo o que normalmente chamamos de “autoconhecimento”. Já o substancial está muito mais próximo do conceito que já comumente conhecemos.

O Que é Autoconhecimento?

Uma resposta natural e popular ao questionamento do conceito de autoconhecimento é que ela é o resultado do que às vezes é chamado de seu “verdadeiro eu”. Nesta maneira de pensar, seu verdadeiro eu é o verdadeiro “você”, e é composto de seu caráter, valores, desejos, emoções e crenças. É como você é realmente, diferente do que outras pessoas, ou mesmo você, acreditam que você é. O verdadeiro eu não é o eu como parece para os outros ou para si mesmo, mas o eu como ele realmente é. A busca pelo autoconhecimento é, você pode muito bem pensar, a busca pelo seu verdadeiro eu.

Esta forma de pensar assume, é claro, que existe algo como o “eu verdadeiro” e que isso é algo que algumas pessoas têm questionado. Deixando esta questão de lado por enquanto, outra característica do modo comum de pensar sobre o autoconhecimento é a suposição de que o ele não é fácil de obter. Ter conhecimento do seu verdadeiro eu seria uma verdadeira conquista ‘cognitiva’ ou intelectual, que requer tempo e esforço.

O Valor de se Conhecer

Uma vez que você pensa no  assunto como um esforço, há uma outra questão natural que surge: qual é o ponto ou valor do dele? Que bem lhe faz tê-lo e o que perderia se não o tivesse? Algumas pessoas acreditam que o autoconhecimento é valioso porque, falando de forma crua, você será mais feliz com ele do que sem ele. Talvez, nesse caso, precisemos procurar outro lugar para explicar o valor de se conhecer. Você pode pensar na sugestão de Sócrates de que  conceitua como necessário para viver significativamente ou na ideia relacionada de que você precisa conhecer-se para viver “autenticamente”, ou seja, de uma maneira que seja verdadeira para si mesmo, para o seu verdadeiro eu.

As nossas crenças sobre o mundo à nossa volta são falíveis. Você pode acreditar que está chovendo mesmo que não esteja. Você pode acreditar que está usando meias mesmo que não esteja. Essas crenças não são imunes ao erro, mesmo que eles sobre esses assuntos possam parecer altamente improváveis. Mas agora considere a questão se você acredita que você está usando meias, diferente da questão se você está usando meias.

O Autoconhecimento é Infalível?

Suponha que você acha que tem uma dor de cabeça. Você pode estar errado sobre isso? Certamente não. Você pode estar errado sobre porque sua cabeça dói, mas você não pode estar errado sobre se sua cabeça dói. Uma maneira de colocar isso seria dizer que seu conhecimento de tais estados de espírito é infalível. Hoje em dia, até mesmo os filósofos que pensam que o autoconhecimento trivial é especial tendem a ser céticos sobre a ideia de que é infalível. O que eles dizem é que, embora erros genuínos sobre nossos próprios estados mentais sejam possíveis, eles são anormais, e que há uma presunção de que nossas crenças sobre o que acreditamos, queremos ou sentimos não são equivocadas.

Uma maneira de dizer isto é dizer que algum autoconhecimento é autoritário, mesmo que não seja estritamente infalível. Além disso, é frequentemente afirmado que o autoconhecimento “trivial” é especial, na medida em que não é normalmente baseado em evidências comportamentais ou outras.

Pense bem de Si Mesmo

Estas são coisas que você sabe ‘imediatamente’, e não por inferência. Este imediatismo de algum autoconhecimento é outro respeito no qual ele é especial ou tantos filósofos já pensaram. Suponha que você pense no conhecimento de seus próprios traços de caráter como um exemplo de autoconhecimento substancial, e vamos supor que a bondade é um desses traços. Você é infalível sobre se você é uma pessoa amável? Claramente não. Sua crença sincera de que você é bondoso pode estar equivocada. Você é autoritário sobre seus próprios traços de caráter, no sentido de que há uma presunção de que suas crenças sobre seus próprios traços de caráter não estão equivocadas? Certamente que não.

Evidências Sobre o Próprio Caráter

Todos nós gostamos de pensar bem de nós mesmos, e isso ameaça a presunção de que sabemos como realmente somos. Além disso, para conhecer seu próprio caráter, você precisa de evidência, incluindo a comportamental, e isso significa que o conhecimento de seu próprio caráter também não é imediato. O mesmo vale para o conhecimento de mentes diferentes da sua. Você precisa de evidência  geralmente a comportamental. Um relato filosófico do autoconhecimento deve certamente reconhecer e explicar esta assimetria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

404 - Not found | We searched the space, but we could not find the page you are looking for.